quarta-feira, 26 de Outubro de 2011

O Maior Erro da Humanidade

Houve alguém que um dia disse que o maior erro de um homem é magoar a mulher amada. Eu adoro esta frase. Porém, concordaria na sua plenitude se eu não fosse angolano, e não tivesse crescido em Angola.

Na minha terra é diferente, o maior erro que um homem pode cometer à luz da sociedade é ir à discoteca desacompanhado por indivíduos que produzam estrogênio e tentar interagir com os que ele encontrar por lá. Coloque a mão na cabeça, isso é coisa muito séria, não podes ler isso de forma despreocupada. Ir à uma discoteca sem mulher em Angola é tão errado que até Deus te castiga após tal atentado. Lá, essa atitude é chamada de atentado terrorista.

A angolana, como tenho dito não é uma mulher, é um ser mitológico do tipo que você acha super difícil mas todos teus cambas têm uma, duas ou mesmo três. Parecem se combinar: - Vamos aceitar todos madiês, menos o fulano. Mas isso meus amigos, isso eu já estou habituado. Isso já não me importa. O que me deixa mesmo escalavrado é:

Lhes encontras num boda, todas sorridentes, charme já "num" é charme, a interagirem normalmente, bwé de flashes, fotografias atrás de fotografias. Agora encosta inda, vai corajoso, vai já, você já "num" é o Ngunga, o David pai de Salomão; encosta só e pede para dançar. Vai, encosta! Vais ver ela a trancafiar a cara como se fosses roubar algo, a cara de princesa em 300 milisegundos transforma-se em cara de gangster. Sai de bela para monstro sem piscar os olhos. E você que só queria dançar... O coração dispara, começas a tremer; parece que a tua mãe te apanhou a beber a água na garrafa; aquilo transforma-se num penalti numa final de futebol e um dos palancas negras é que vai cobrar. Não é boa coisa!

Se ela fosse simplesmente dizer não à proposta, tudo bem. Mas não!
Ela primeiro olha nos seus pés e vai subindo. A medida que ela sobe, você vai se sentindo nú. Não podes sequer cogitar a ideia de assédio sexual. Ela fica com uma cara de má, veias no pescoço como se a tivesses pedido dinheiro, parece-se com um dos protagonistas de filmes indianos que está prestes a se vingar. E quando chega na sua cara; bem aí você já sabe qual será a resposta. Querida angolana, nós meros mortais vos pedimos encarecidamente, ajoelhados e se não mesmo rastejando. Não queremos milagres do tipo: Mudem só o vosso comportamento. Isso não. Apenas diga não mas sorrindo. Não custa nada. Também gostaríamos que não fizessem muitos gestos na hora de rejeitar o pedido. Vire e diga apenas não. Não precisa dar aquela vossa de despercebida, vê ele a vir da outra ponta do salão e quando dá-te um toque no braço, você perde os sentidos. Simplesmente não se mexe. Não abane a cabeça, nem suba no seu palco para nos dar o show habitual. Já estamos cansados. Não precisam ficar nervosas. Isso é uma particularidade vossa, se enervam por nada. Mas são assim então porquê?

Vamos "inda" Lá Ser Sinceros. Só um "coxito".
Se não gostam de dançar com desconhecidos qual é o intuito de ir à uma discoteca então? Será que o Jack - O Estripador viveu em Angola? Porquê que têm tanto medo, restrições e requisitos? O que mais me admira, é que a maioria afirma não acreditar em amor à primeira vista. Mas então se não acreditam em tal "desvario" me expliquem só porquê que têm que gostar da pessoa no momento em que ele lhe aborda. "Porquiê"? É o "quiê" então?

O que também me deixa bastante impressionado, são aquelas que no princípio ficam todas antipáticas, muzumbo bem grande. Ah porque eu memo sou assim, não lido bem com estranhos. E de repente, fica toda simpática. - Ai fulano, tu és demais. Começam a rir bwé. Mesmo que de repente você tenha decidido ser boazinha com o rapaz, sem interesse algum. É "mále" ele achar que você é interesseira? Me fala "inda". Você que há pouco estava com a cara do Van-Damme, voltaste a ser uma Taís Araújo porquê? Essas mudanças violentas de comportamento é que faz com que certas pessoas vos achem levianas.

Epá "num" é por mal, eu só estou a vos contar o que todos desabafam nos cantos por aí. Já sabemos que vocês não vão para a discoteca conhecer gente nova, por isso temos que levar água na chuva e cimento na obra. Mas minhas idolatradas Deusas "Gregas", sorriam mais. Não custa. Não precisam querer nos dar um bico no estômago ou ofender toda a nossa árvore genealógica porque queríamos dançar convosco. Apenas estamos cansados de mentir que estamos a ir no bar buscar uma bebida, quando na verdade estamos a procurar alguém que aceite dançar com um estranho, e assim poder voltar para o meu grupo de amigos com a reputação e consciência intacta. Sem ter um coração à beira de um AVC.

Mas seriamente falando, sempre que um amigo meu se ausenta do grupo e diz que vai dançar, eu só digo já: Esse aí "tá brincá cô vida"!

sábado, 22 de Outubro de 2011

Mãe

Se eu começar por falar da sua importância, do quão ela molda o seu modo de ser, esse texto será só mais um. Se eu falar que eu sou louco por ela, que nada nesse mundo se compara à ela, nada mesmo; também estaria a cair na mesmice da mesma teia de aranha.

Porém, essa é a parte que pouco, ou nada se diz:
Eu vou ser curto e grosso. Venho apenas dizer que muitos filhos (e refiro-me à rapaziada) são incapazes de mostrar todo o amor que sentem pela sua mãe. Não que seja por opção. Mas sim porque a sociedade em que crescemos nos incute a ideia que sair por aí dizendo: Mãe, eu te amo, atirar-se no colo dela e estar sempre lisonjeado a sua Deusa para os quatro ventos desse mundo, é um puro e grande caso de "pasteleirice" senão mesmo um acto de um pudim. Basicamente, você aprende que só faz isso quem é criança ou de coração mole. Homem crescido e maduro não! E "num" adianta abanar a cabeça, porque é isso sim que acontece.

Os rapazes tendem a mostrar o amor que têm pelas suas mães em momentos que acham ser cruciais, em casos de vida ou morte por exemplo. E não, na hora em que acordas e olhas para Ela e dizes: Eu te adoro minha kota. Isso parece ser contra os nossos hábitos e sentidos. Quem não tem a prática de o fazer, se em alguma ocasião o faz, fica logo com uma cara de bolacha redonda totalmente envergonhado, senão mesmo arrepiado até à unha. Simplesmente não é algo natural, é algo que nos habituamos a fazer dentro da nossa mente.

Chamá-la então por nomes como Mamã na frente de muita gente! Shhhhh! Há quem ouve e põe-se a rir até rachar o crânio. Nada mal, tudo bem. Pois eu me ponho a pensar:
Pra quê só se fazer de bwé rijo com a tua Mamã, se com a tua namorada é só "melê"? Doces atrás de doces. Nomes patéticos perseguidos por mais nomes patéticos. E uma dose exagerada de eu te adoro p'ra aqui e eu não vivo sem ti acolá? Para quê só não chamar de Mamã, se na tua dama você chama de "cutchi-cutchi"? A tua mãe não pode te chamar de "Paizinho" na frente dos outros, mas a tua namorada... Essa pode te chamar do que quiser que é lindo, é formoso, são mais pontos na reputação. Sin-ce-ramente! Vamos Lá Ser Sinceros! Fazemos tanta parafernárlia por causa de uma namorada, que dizemos ser nossa, para depois escrever: Ah porque não, o que você me fez... Você "memo" era o meu tudo, eu vivia por ti... Cala "mazê" a boca pá!

Poucos são aqueles que chegam, olham nos olhos, e paqueram a sua Mãe, aqueles que dão uma polida no ego da Senhora. Poucos mesmos, "num" vamos estar só aqui a se mentir. Uns até parecem estar a esperar que a energia eléctrica em Angola se reestabeleça de uma vez por todas para fazerem tal acto, ou seja, nunca farão!

Meus irmãos, "num" brinquem cô a vida! "Num" tenta só se armar já em o ultimo "macho-man" na face da terra, que com a tua mãe, abraço só em datas muito especiais. Bwé rijo na hora de mostrar amor em casa, mas quando está com a namorada, riso já não é riso, bocas largas para todo o lado; podem até lhe esticar a bochecha dum lado para o outro que nem uma pastilha elástica que está tudo óptimo, tudo azul e cor-de-rosa.

Poucas vezes mostramos abertamente que por ela a gente chora, mata, morre, vai para a lua de canoa, põe a cara no fogo, faz milagres, trava avião no ar, e mais outras cenas fantásticas; e tudo porque não percebemos o conceito de ser um homem! Tudo porque a gente acredita na parvoíce espalhada por aí que homem maduro mantém a cara trancada, não mostra seu coração de manteiga. Tudo porque queres parecer ser o mais "fidido" no meio daqueles que te rodeiam. Mas mesmo assim... Ela sabe que você mataria um boi à chapada por ela, domesticaria um leão apenas com quedas de judo, faria a preguiça (animal) de seu escravo e com apenas 6 anos de idade atravessarias uma baía inteira a nadar só por ela. E isso, meus tropas-de-elite, super-homens e bovinos de todo o mundo; isso não tem preço, significado, nem gesto que substitua. Isso é amor mais bruto que petróleo!

E se ainda não sabes: Lidam melhor com as mulheres, aqueles que melhor lidam com as suas Mães.

Hoje, estou triste por não estar aí contigo e dar uma lapidada no teu ego. Não poder te chachar e te pedir um "cumbú" para comprar o teu presente. Hoje senti algo bem presente, é algo que muitos escrevem dizendo ser saudade. Eu não sei descrever tal coisa. Eu só sei dizer mesmo:
Feliz Aniversário Minha Baixinha!

Obs: Essa sim, é Minha!

quinta-feira, 20 de Outubro de 2011

Não Desista!

Há dias nas nossas vidas em que tudo parece dar errado. Todos os nossos planos não se concretizam. Mas aí, você olha para os céus e ouve uma voz divina dizendo: Não desista, siga em frente!

Para começar meus amigos, deixem-me dizer que essa voz não veio dos céus. Não, não, não e não. Pelo que tudo indica essa voz veio mesmo da sua cabeça. Parem "mazê" de culparem os céus.

Ser persistente é lindo, bonito, uma virtude. Mas muita persistência chega a ser chatice. Não seja chato, desista!
Naqueles dias em que você ouve a conhecida voz dizendo para nao desistires, por favor, mas por favor mesmo, desista! Saiba que esses conhecimentos que divido consigo hoje você não encontrará em qualquer outro sítio, por isso siga-os.

Muitas das vezes são as outras pessoas que te dizem para não desistires, porém é bem possível que te queiram fazer como o bobo da corte. Em várias ocasiões a persistência apenas faz-te parecer mais tolo aos olhos daqueles que te apreciam.

Essa estória de que para ter algo que nunca teve, você deve fazer algo diferente não é para todos. Vamos Lá Ser Sinceros! Há quem já tentou de tudo. E quando digo tudo, estou a ser literal mesmo. Usou inclusive o processo natural de envelhecimento, aquele método em que começas a mexer os pés primeiro, a sentar, depois a engatinhar, mas até agora se pôr de pé "quiê" bom, "natarazi muenzô"! Mas estás a se sacrificar assim porquê? Aqui "também já tão a brincá cô vida"!

Assim então para você insistir tanto em algo que nunca dá certo é o quê? É só vontade "memo" de receber atestado de estúpido? Quer ficar famoso a custa dos fracassos consecutivos? Na verdade, se isso acontece consigo, é bem provável que já estejas famoso por tais façanhas. No entanto, tenho que abrir excepção ao meu tema e dizer que se for esse o seu objectivo, então não desista! "Tás" a sair bem!

- Mas Mauro, tu não podes falar assim porque eu li sobre a vida do fulano e lá diz que ele fracassou muito antes de ser bem sucedido. - Ok, bem dito. Óptimo argumento. Mas assim querias que ele falasse que foi tudo fácil? O tempo é subjugado pela relatividade, não te esqueças disso jamais. Só que para uns 2 anos parecem ter sido apenas 2 meses. Nós que ficamos nesse lado a rir das cenas caricatas em que te envolves, também já estamos a ficar cansados. É muita gargalhada. Eu não quero chegar aos 150 anos de vida.

A única coisa que pode fazê-lo parecer mais estúpido é continuar tentando, tentando, tentando e mesmo assim não conseguir!

Desistir também é uma virtude. Então, porque não desistir?

quarta-feira, 12 de Outubro de 2011

O Outro Lado da Moeda

Hoje é o dia do julgamento final, e nem sequer é 2012. Finalmente levaremos à tribunal as nossas "santas" companheiras.

Antes de mais nada, vamos corrigir as terminologias usadas e que serão usadas ao longo dessa nossa breve jornada. Considerem esta intervenção como uma aula rápida de engenharia de rejeição. Primeira e única regra a saber: Só é considerada uma rejeição quando a intenção de "fazer parte" da vida de uma pessoa é negada verbalmente, ou seja, tu dizes: - Eu te amo. Ele diz: Mas eu não. Qualquer outro desvio que ausencie a palavra "não", é considerada enrolação.

Fui obrigado a esclarecer essa regra antes porque muitas mulheres têm o péssimo hábito de achar que somos obrigados a dar uma resposta na hora, e tem que ser estupefactamente convincente. Se o homem for dizer que sim, é bom que seja um som com assobios de passarinhos e olhos de chinês. Não pode demorar muito (o que no universo delas são aqueles 3 segundos que temos direitos para tomar uma decisão); nem ser muito rápido (aqueles 30 nanosegundos que levamos para responder algo quando estamos muito felizes).

Tendo isso em mente, vamos prosseguir.
Ora bem meus caros amigos sedentos de mundo real. As coisas andam mais ou menos assim:
- Se por um lado quando a dama te rebenta um "não" tu és burro, se fores tu (homem) a dar o "não", deixas de ser burro e passas a ser uma ameba, um "buazeza" e mais outros adjectivos agradáveis de se ouvir quando não somos nós os sujeitos da oração.
Antes de rejeitares uma mulher, a seguinte pergunta deve ser feita: Você é quem para dar não numa dama? Me diz já se és o quê! Batman, Homem de Ferro ou o Hulk? Porque tens que ser especial para fazer isso. Há consequências que terás que arcar que não são para qualquer "sapo".

Mas assim quem cria esse rótulo? Minhas manas, vocês sabem! Num vamos estar aqui a se mentir. Vamos Lá "mazê" Ser Sinceros e quanto mais cedo melhor. Assim que vocês levam um fora, mas um daqueles extremamente convincente, tão convincente quanto certos actores na novela angolana Revira-Volta, que vocês mesmas nos registam novamente. No meio das amigas só lhe chamarão já de: "O tonto do Fulano" ou aquele "Feio do Sicrano". Mas assim "tá memo" bom? Agora já é feio? Mas deixa, vão vos castigar.

As mulheres não superam uma rejeição com um sorriso no rosto, parecem sofrer de rinite alérgica ao não!
Quando são elas a negarem, "inda" te perguntam: Estás fixe "né"? - Mas você que acabou de me dar um não, acha mesmo que eu estaria bem? No entanto, é melhor colocares um sorriso na cara de uma ponta a outra que nem uma bacia porque elas alegam que detestam ter pena de alguém. Só que não é bem assim na vez delas. Te fazem mesmo sentir remorsos, não querem saber. Se deres um "não" com um tom de voz descalibrado acima de 2 decibeis e dito de forma repentina; fará com que a mulher mais forte duvide da sua masculinidade, a mais fraca a desatar num tremendo choro e a angolana a borrar o teu nome na lama em que banham os porcos.

Para quem não deu conta a regra é a seguinte: Homem leva "não" tem que calar a boca. Mulher leva "não" vai ter que te espalhar de todas as formas.
Claro que nem todas fazem isso. As que fazem, fazem-no voluntariamente. As que não fazem, o fazem involuntariamente. Assim que alguém falar de ti, ela atira já um "Hum" no ar. A receptora fica curiosa e aí já sabemos o resultado... Serás sujado.

Existem ainda aquelas que levam um bom "sai daqui", entretanto não "se deixam mal" e afirmam publicamente ter tido um relacionamento com o rapaz. Essa táctica além de ser muito difícil de desmantelar, é usada fundamentalmente para pôr mais gasolina no fogo, e não esqueça que alguém há de ser posto na grelha. Esse tipo de mulher adora um torresmo bem torrado, tão torrado que se assemelha ao carvão. Só Deus para identificar o teu corpo depois da queima. "Num" haverá CSI, "num" haverá nada!

Deveria existir uma lei constitucional proibindo a oferta de "não's" a indivíduos do sexo feminino, pela dificuldade que têm em digerir a situação.

Muitas desconhecedoras das leis da rejeição, pensam que as suas tentativas estão a ser frustradas quando o homem não percebe os SDM (sinais de moleza). Meu Deus do Céu! Minhas caras amigas, acontece que muitas de vocês mandam o vosso SDM com muita distorção, quando tentamos decifrar nos vemos sempre em situações ambíguas. Por favor, mas por favor mesmo, pedimos encarecidamente que melhorem os vossos serviços de transmissão de dados!

Outro problema que muitas mulheres enfrentam é a Síndrome do Pitbull (SPit). Uma doença que impede muitas mulheres de largarem o osso. Não gostam de desistir. Podem receber "tril trilhões ou mil e cheischentos não's", ainda assim, sentem cada vez mais prazer. Abanas o pé para ver se largam e "tás" a lhes dar mais fama. É como lutar com porco na lama, quanto mais resistência ofereceres melhor para elas. Essas, são aquelas que só te ligam quando estás com a tua namorada, até parecem sentir cheiro. Mensagens picantes a fazer um "playback" de quem está a ter um relacionamento fabuloso consigo.
A essas, eu também costumo chamá-las de "Ramba", são um tremendo carrasco. Onde ela entra, tudo começa a "despuludir". Ou dás o que elas querem ou elas levam e enterram o "mocotô" da tua relação. Parecem traficantes, fazem refém à tua vida. Mas não te preocupes, se lhe obedeceres, ela levará na mesma. Assim "vamo" fazer então como?

Há algo que eu respeito nas damas: Quando elas querem, elas não querem saber.
Mas minhas queridas, quando a gente não quer, não nos estraguem a vida ou façam drama. Simplesmente engulam a vossa dor e nos deixem em paz! Não é não!

domingo, 2 de Outubro de 2011

De 1900 e Kabuza à 1993

Todas as mulheres têm a sua época de glória. Aquela fase em que todos homens são os Estados Unidos da América, e as raparigas dividem-se entre a Líbia, Afeganistão ou mesmo Iraque. São fortes ataques, com ou sem cobertura televisiva, os bombardeamentos não param até ela ceder. Obviamente, umas cedem só aos EUA; outras cedem à Inglaterra, França, Rússia e sei lá mais quem. Mas isso não vem ao caso. Essa glória é apenas experienciada durante uma certa faixa etária.

Sempre pensei que idade não fazia diferença alguma. Passei pela fase em que os kotas só querias as "Catorzinhas", passei pela fase que os kotas arranjavam damas mais novas com esposas em casa. Mas continuava achando que nada deveria ser relacionada à idade. Mas sim a consciência.
Pensava assim sim, até a hora em que comecei a ver o pessoal de "mil novecentos e uauê" e os de 1900 e Kabuza a darem uma de "Médecins sans Frontières" (Médicos sem Fronteiras) invadindo os hospitais e levando todas as pacientes, e repito, todas as pacientes da pediatria directo para o centro ginecológico! Não querem saber da idade da paciente, tudo é só levar. Basta aparecer uma "munguluta" ou mesmo um pequeno furúnculo na bunda da miúda que eles tentam logo levar a menina para fazer uns exames clínicos (principalmente o toque bimanual).

O lema no meio desses grandes profissionais é: Idade é só um número. O corpo é que fala. Entretanto, há um ditado muito famoso que diz: Se idade é só um número, então a prisão é apenas uma sala-de-estar.

Nada justifica os ataques sofridos por aquelas que nasceram em 1993. Meu Senhor! Não há misericórdia para quem tem esse número na sequência da sua data de aniversário. Aquilo parece-se mais com Angola, até os chineses quererem meter a mão nelas.

A situação anda um tanto quanto periclitante para elas que têm que aguentar a pressão daqueles que já descobriram que manga boa tira-se quando ainda está na árvore. Se não é a conversa sem pimenta dos meninos da sua idade, é o palavreado cheio de "jindungo" daqueles acima da sua idade. Não "tá" leve! Em 1900 e Kabuza isso não acontecia.

Só sinto pena dos rapazes dessa geração. Os coitados quando tentam correr para apanhar algo no quintal (isso se cair algo), já tem bwé de minhocas e mesmo assim ainda tem aqueles de 1975 que querem apanhar. Só posso dizer que está rijo para o vosso lado, ou vocês baixam para as de 1997 ou ficam a assistir de camarote os caçadores furtivos a abaterem as vossas pacaças; porque a remessa de 94 - 96 não vos pertence mais, mas se ainda quiserem, esperem quando estiverem disponível como segunda mão.

Antes, os "kotas" cortavam a idade para não ir à tropa. Agora cortam o cabelo para "cangar" as miúdas. E elas também que não gostam... Fogo neles! Tá brincá cô vida ou quê!

É verdade, já ia dando uma de fingido e não falar todas as verdades: Num vamos estar só aqui a se mentir tipo os que nasceram em 1900 e Kabuza são já os "talos curpados". Vamos Lá Ser Sinceros! Aqui não há acudir ninguém. Temos sempre a sensação que os mais-velhos são já os tais, os espertalhões da cena. Porém, acontece que nunca é cedo demais para alguém ser inteligente e astuto. Infelizmente, como sociedade, todos ignoramos este facto. A idade não determina o fim da ingenuidade de ninguém, mas determina o início da engenhosidade de cada um.

E adivinhem quem está a se deliciar com esse estereótipo? E não é porque as vezes, elas estão com mais garras que as de 1987 por exemplo. Elas fazem um "pressing lixado", se fingem de inconsequente, te colocam no peito que nem bola, trazem fogo ardente na tua casa de palha e se você correr é burro, mas se ficar é idiota. Escolhe! Se você é mau, agora escolhe! E deixe-me realçar que quem está a ver o vídeo sem som, vai pensar que você é já o Zidane. Afinal...

O que está a se passar com essa geração é totalmente improcedente, parece que meteram um veneno que provoca cobiça dessas meninas. A Cuca e as outras cervejas de nada influenciam na atitude, nem na coragem desses "Antonov" (que deveriam estar na sala de demonstração dos modelos antigos usados na aviação) decidem sobrevoar aquele espaço aéreo sem terem receio de serem avistados pelos radares.

Parece que desde um piloto qualquer de karting ao Sebastian Vettel, do ciclista ao camionista, todos querem derrapar naquelas curvas mesmo que umas sejam apertadas, em construção ou mesmo mal feitas.

Epá "in"felizmente desde o mais-velho careca ao miúdo cabeludo, de 1993 à 1900, todos querem provar o "tambarino" (tamarindo) que de momento está com as de 93!