quarta-feira, 18 de Maio de 2011

A Fauna Angolana

A fauna angolana está cheia de animais caricatos e surpreendentes, e dois deles são a Lebre e o Cágado.
Era uma vez... Uma Lebre e um Cágado.
Um dia, estando a conversar, diz assim a Lebre para o Cágado:
- Olha lá, tu não queres fazer uma corrida comigo?
O Cágado respondeu-lhe que sim.

Alto lá! Repito, alto lá! Pára tudo imediatamente! O Cágado aceitou?! Isso é uma tremenda brincadeira! Onde é que já se viu tamanho descalábrio?

Qualquer ser sábio ou coerente diria: Desculpa te desapontar amada Lebre, mas não estou em condições para tal. E caso resolvido, assim seria se esses animais pertencessem à uma cultura diferente. Mas na nossa... Hum...

Numa aposta, as duas partes devem apertar as mãos. Assim também foi entre eles dois, acertaram a aposta as 15 horas, e o Cágado só alcançou a mão da Lebre quando eram 23 horas, ele era mesmo rápido.

Ela, era uma típica angolana, rápida, esperta, perde-se pela aparência facilmente, sabe que o outro não é (mais rápido), não tem (velocidade) e nem iria aguentar (a pedalada), ainda assim ela desafia-o. Ele, outro angolano de raíz, astuto, nunca aceita perder, não gosta de estar mal na fita, bom em "playbacks" (finge muito bem) e está sempre a contar com a sorte para livrar-se das "makas" em que se mete.

Me falem só se os dois não são a representação animalesca dum casal angolano.

A corrida começa, e como qualquer angolana, ela tem uma ideia fixa na cabeça, ele vai passar "mále", mesmo que eu parar ele não vai me "pegar". Sou demais e sei bem o que quero (ou não "memo"). Após uns minutos de corrida, ela sai da pista para apanhar um ar e relaxar já que o adversário era lento mesmo, não era problema. Só que ela não sabia que o Cágado afinal tinha uma motorizada Honda CBR 1000cc (cilindradas). Avizinhava-se a desgraça da Lebre!

A Lebre chega ainda de ver o Cágado muito distante, vindo nas calmas e com um aspecto inofensivo. Lá ela começa a se envolver no jeito suave do Cágado, e começa a esquecer o motivo da corrida (na verdade ninguém na face da terra sabe), ela fica totalmente perdida e começa a sonhar. Até o momento em que o Cágado sobe em sua CBR e sai acelerando; tá brincá cô vida!

Ele não queria saber se a Lebre ainda estava na corrida, se ela sabia ou não do que se passava. Apenas queria ganhar, ganhar e cumprir o seu objectivo antes de qualquer outro animal. É outro que também esqueceu o intuito da corrida e parece que já não sabia que além dele só tinha a Lebre.
Quando ela volta já era tarde demais, pois ele estava a pôr bravas rodas em direcção à meta, com aquela cara de super-jovem com paca na hora. Ele acaba se tornando uma lenda, por vencer algo que parecia praticamente impossível.

Vamos Lá Ser Sinceros só uma vez nas nossas vidas:
O Cágado é ou não é angolano?
Ele não quer saber se a Lebre (dama) está ciente do que se está a passar, se está iludida ou se ela magoou-se (ou iria magoar-se) se perdesse a corrida de forma meia que injusta. Primeiro a meta, depois que venham as consequências da mesma. Mas será que a Lebre não deu conta que aquele Cágado não era burro? Usava uma crista na cabeça e era motoqueiro? Isso não foi o suficiente para tratar de se prevenir um pouquinho?

Já a Lebre, coitada, iludiu-se facilmente por confiar em demasia na sua velocidade e não na sua inteligência. Por isso acabou perdendo a corrida para um animal que não era do seu patamar, e pior ainda, foi difamada por ter sido a ludibriada da vez. E parece que após a corrida ela ficou cega, porque já não via as "macaquices" do seu "amigo" Cágado que começou a abandalhá-la.

Mas se fosse o contrário, obviamente não estaria a falar da fauna angolana

Sem comentários:

Enviar um comentário

Motive-me com o seu comentário!