quarta-feira, 16 de Julho de 2014

Pouco Tempo É Muito Tempo

Há duas semanas atrás eu completei mais uma risonha primavera. Wow, que lindo, que fofo da minha parte... Consegui fazer mais 365 dias na terra e nunca me senti tão velho em toda a minha vida.

Obviamente, muita gente perguntou quantos anos eu havia feito, e sinceramente; pesava-me a boca, a consciência e o corpo ao ter que dizer a minha idade. Fogo... Eu não acredito que agora eu tenho a idade que tenho e sinto-me obrigado a falar a verdade; logo eu, um mentiroso fiel. Senti a frescura que vem de Benguela e bate no comportamento das mulheres quando se referem à sua idade.

Pois hoje estava eu a conversar com uns amigos, num grupo de chat, e um deles teve a audácia de dizer que eu só tinha 25 anos. "Peraí, peraí, alto lá!" Como assim, só?! Só 25 anos! Ah porque se tu te sentes velho, eu que sou mais velho que tu, sinto-me o quê?
Bem, caro amigo... Eu estou-me nas tintas para o que sentes. Cada "quale" aqui sente o que lhe apetece. Estás a dizer que 25 anos é pouco porque tens mais? E daí?! Vamos Lá Ser Sinceros:

sexta-feira, 6 de Junho de 2014

200

Oh, meu, Deus! Estou que não me aguento de medo!

Volta e meia recebo a mesma mensagem de que a criminalidade em Luanda atingiu níveis alarmantes e que devemos ter muito cuidado. Segundo essa mensagem, que é só uma mas as pessoas passam e repassam como se fossem várias, diz que a polícia de Luanda soltou da cadeia 200 criminosos para matá-los cá fora.
Além do pânico e o caos geral que isso causou, algumas pessoas se indagam como o dito grupo dos 200 foi criado. Por azar ou sorte, tive a oportunidade de acompanhar o início desse movimento, e tudo começou com um grupo no WhatsApp. Sim, "incroyable" né? Mas yá, foi "memo" assim que tudo começou. Eram 15 horas e 40 minutos quando Chá Preto criou o grupo. Para poder escolher os melhores bandidos, houve um censo "bandidacional" para recolha dos dados e habilidades de cada quadro nacional que actua nessa área. Não só com o objectivo de ter as informações mais apuradas, este censo permitiu peneirar muitos bandidos incompetentes. Os critérios de selecção foram claros; os escolhidos deveriam ter 5 anos de experiência de assalto, boa dicção para não confundir os clientes durante o roubo, velocidade, ser um descendente de Sparta e ser um exímio topógrafo. 
Por sentirem-se mais fortes que os seus ancestrais, "300 spartanos," decidiram ser apenas 200 para dar mais garra à lenda que estavam prestes a se tornar.

Após a selecção dos membros, seguiram-se várias conversas com nexo e alto teor intelectual no WhatsApp que culminou com o primeiro encontro filantrópico no Doo Bahr com o objectivo de partilharem conhecimento e doarem armas aos gatunos mais necessitados. Lá, elegeram-se alguns cabeças do movimento 200 com destaque ao DP (director de projectos) que imediatamente criou um plano de acção e discursou para o grupo sob o lema: Não é culpa nossa se os que estudaram não conseguem se unir para um bem comum. O encontro ameno terminou e todos saíram de lá alegres com perspectiva de um futuro melhor. Eles finalmente haviam percebido que juntos seriam muito mais fortes.
A noite caiu e no e-mail de todos participantes caiu também a planilha de trabalho com a descrição exacta da função de cada elemento na organização.
Enquanto isso, um bófia fica por dentro da situação e agiliza a prisão destes mesmo energúmenos.

Epá...
Com a chegada desses duzentos elementos na Cadeia Central de Luanda, o que era um espaço verde, lindo e com conforto, tornou-se insuportável. Ficou tudo abarrotado, aqueles que já lá estavam há mais tempo, sentiram que a sua liberdade havia sido retirada, pois os 200 eram muito espaçosos e gostavam de mexer na coisa dos outros, tiravam livros sem avisar, rasgavam os colchões; eram uns "grandas" chatos.
Visto que a situação estava a se tornar cada vez mais incontrolável dentro da cadeia, a polícia achou por bem colocá-los cá fora. Como já lhes dava muita raiva e como é de hábito soltarem 500 bandidos na rua, porque não 200?

quinta-feira, 8 de Maio de 2014

Oops... Partiu!

Ultimamente tenho ouvido muita música antiga. Coisas de 1963 até 1989 só para sentir a alma que os "kotas" colocavam em suas músicas. Eram vozes de verdade, faziam a dor se materializar em algo palpável. Tu ouves a música sobre alguém que a mulher lhe traiu ou lhe abandonou até dá inveja. É tanta penúria que era transmitida que eu "memo" pauso e digo:
- Fogo, também quero sentir isso.
Parece até que não tenho vivido o suficiente. Ao ouvires as reclamações de David Zé ou mesmo as cassetes lentas do Otis Redding, não tem como não perceber que as mulheres de hoje em dia são a toas, "num" são nada!

As mulheres de hoje em dia já não sabem partir um coração em condições. Como é possível você partir o coração de um camelo e ele ainda ter a força e a petulância de cantar os vossos problemas num rap?! Isso é que me deixa "ndikindado!" Ele deveria estar quebrado, destruído, sem forças sequer para cair; ele tem que congelar de tanto calor, você tem que fazer o cabelo dele transpirar, a mágoa dentro dele precisa ser visível, e se possível, palpável. Ele tem que sair do rap pra soul music directo, sem escala, sem nada. As músicas dele não podem passar de 50 bpm. Ele que era armado em "vuzado" e que trocava de "flow" sempre que quisesse, tinha que estar mais lento que o trânsito de Luanda num dia chuvoso. Mas não... Ficam a deixar o gajo como se fosse emprego, vão dando sinais de insatisfação, vão pedindo aumento e depois apresentam a carta de demissão. É claro que ele irá se preparar psicologicamente! Você precisa rebentar com a estabilidade emocional do energúmeno, agarra aquela "mukwenha," atira no chão, pisa, pisa, pisa, pisa, maltrata até virar pó! Ele tem que ter uma trombose, a boca tem que entortar que nem a do Stallone; pois, nós precisamos de cantores doridos, artistas magoados, leões feridos... Só assim iremos ter o mesmo gosto que antigamente. Hoje em dia dizem cantar o que vivem e pouco ou nada nos emociona porque as mulheres como fonte de sabedoria e perdição não têm desempenhado um bom papel. Gostam de deixar esses "jimbuijis" seguros demais! É óbvio que eles não terão assuntos sentimentais para cantar e mesmo aqueles que cantem, não iremos sentir nada por ser tudo encenação. Sejam lá mulheres de verdade e rebentem masé com a muxima desses pronunciadores de palavras em cima dum "beat."

domingo, 4 de Maio de 2014

Mãe Polícia, Filho Ladrão

- Uauê... O Mauro mudou, o Mauro mudou, tia! O Mauro mudou! - Assim gritavam aqueles que passavam pelo corredor do meu andar no prédio 186 da Avenida Brasil.
Era tanto tumulto que minha mãe acabou se apercebendo. Saiu a correr e encontrou uma miniatura de meio metro a dar o show nú em piloto na entrada do 6º andar. Sob o efeito supersónico da corrida dela, não percebi quando fui removido de fora para dentro. Ela ficou 10 segundos calada. Embora até hoje eu acredite que tivesse sido 30 minutos de silêncio. Depois daquela demora abismal para se pronunciar sobre a minha performance pública, ela agiu como qualquer outra mãe agiria. Agachou-se até à minha altura, despiu meu ser com o seu olhar perfurador e tocou a minha alma. Sim... Minha mãe tinha aquele dom de nunca mexer com o meu físico. Ela mexia com o meu psicológico! Enquanto ela olhava ardentemente para o seu rebento, eu transpirava quilolitros de suor num dia em que nem estava assim tanto sol lá fora. Aí... Aí eu percebi que estava em palcos de aranha, estava feito ao bife e que estava mais do que certo que iriam brincar com o meu boneco, o meu corpo já não me pertencia. Ela começou então a conversar comigo com uma "granda" galheta da cara! Aquela grelha foi tão bem dada que eu não fui pra frente, nem pra trás... Sentei no chão e algo dentro de mim me aconselhava: Realmente mudar "né" bom, fizeste isso porquê? Queres nos matá?! Mas uma chapada para minha velha era apenas petisco, estava mais para um abre apetite e eu tipo tinha boa pele para levar porrada. Como disse anteriormente ela tocava a minha alma, preferia tocar o meu ser psicológico através do ser físico. Suas cotoveladas, joelhadas e chutes de Muay Thai transcendiam o material para abraçar o meu espírito da assanhadice reverberando todas as palavras de apoio, conforto e juízo que ela proferia e que não sei se era por questões de rimas ou figuras de estilo terminavam sempre "ahm." Era algo tipo:
- Vais fazer mais isso, ahm? (5 chapadas)
- Você já não aprende, ahm? (Combo de 10)

Eram tantas perguntas retóricas que sempre que eu tentasse responder alguma, era como se estivesse a pedir para me matarem "cô" surra. Só sei que aumentavam a intensidade da punição a que estava a ser submetido. Aquelas porradas me deixavam sempre cada vez mais maduro. Tão maduro que eu não repetia as minhas besteiras e isso é que complicava a decisão da minha mãe. Eu tinha uma grande capacidade de não repetir as porcarias que fazia que até eu mesmo me respeitava. Nunca me bateram por ter feito algo duas vezes. Eram sempre novas colecções. Eu era tipo esses miúdos ricos que não repetem as suas roupas. Eram brincadeiras da Armani, lixos da Tom Ford, era tudo top de gama. Eu via o ar de dúvida nos olhos da minha mãe. Ela não acreditava que tinha em casa um génio do suicídio sempre com novas artimanhas para se matar.

quinta-feira, 17 de Abril de 2014

Game Over... Press Continue!

Caso estejas perdido, veja o replay

Mas verdade seja dita: As irmãs têm razão de estar solteira. Vocês não são cativantes. Dicas "fatelas" desde manhã até a noite.

Um dos erros crassos que muitos homens cometem é investir bastante na lábia. Tal como um jogo de xadrez que se divide em abertura, meio e finalização; vários homens ainda perdem muito do seu tempo aprendendo e memorizando jogadas de aberturas. Fixam-se muito na ideia de descobrir um abracadabra, um conjunto de palavras que seriam capazes de abrir rios e vales para que pudessem atravessar sempre que pronunciadas nos ouvidos de suas vítimas.

Meu amado irmão, atenção! Esse método está mais do que provado que não funciona, ou pelo menos, não é dos mais modernos. Não existe nenhum "chacho" nesse mundo que te coloca cara à cara com a baliza de uma mulher! Não mesmo! São fachadas misturadas com fantochadas que não levam à lado nenhum. A mulher logo percebe que está perante um inútil, pois as ideias transmitidas estão abarrotadas de clichés.

"Vortando" à analogia do xadrez:
- Não existe nenhum jogo nesse mundo que emule melhor a vida real e os jogos de sedução do que o xadrez. Apesar de todo jogo seguir o fluxo de abertura, meio e finalização. No xadrez ensina-se e solidifica-se as finalizações antes de qualquer outra coisa. O mais importante é o xeque-mate, por isso, é crucial que reconheças uma situação de xeque-mate mesmo que te acordem com uma bofetada das vistas. Não importa o ângulo, posição ou circunstância, ao olhares para o tabuleiro, tu tens que dizer para ti mesmo: Já está!
O jogo segue sempre um fluxo de abertura, meio (desenvolvimento) e o mais eficiente finalizará. A capacidade de reconhecer um jogo ganho ou perdido bem antes do tempo (nem que se concretize após 20 jogadas) é que difere um craque de um pincho amador. Logo, podes perceber que a bem ou mal, o jogo não cai para o xeque-mate após 3 jogadas; mas há um desenvolvimento paulatino até o momento em que se começa a criar vulnerabilidades no jogo da adversária. Nesse momento estás na fase do jogo chamado de meio. O meio é a porta que leva à finalização. Nessa fase de jogo, o intuito é levar o jogo à uma situação de finalização já memorizada. Ou seja, tu observas o estado do jogo e pensas: Preciso fazer esse jogo ter a configuração z que ficaria mais fácil se eu ficasse com as peças x e ela com as peças y. Assim, vais implementando as estratégias para conseguir o que queres mas sabendo de antemão o que fazer quando a oportunidade surgir.

A abertura conta sim, mas de que adianta ter uma boa abertura se não consegues fazer a transição de abertura-meio e meio-finalização? Por permitir maior controle das posições vantajosas no tabuleiro, talvez isso faça com que os aprendizes se concentrem e procurem sempre aberturas que deixariam-lhe numa vantagem clara. No entanto, esse approach de entender aberturas, não ajudará em nada. E é aí onde tudo se liga na hora de seduzir uma mulher.

Por isso, Vamos Lá Ser Sinceros:

domingo, 30 de Março de 2014

Ética e Profissionalismo Numa Aventura Tundimbal

Não posso!
Meu!
Temos que ficar por aqui.
Até quando?!
Eu já não aguento mais! - Fim da linha.

Por definição, jogos são actividades organizadas com objectivos distrativos onde pretende-se passar uma mensagem para os jogadores (vencedores e perdedores). Pode envolver dois ou mais jogando entre si como adversários ou cooperativamente com grupos de adversários. É importante que um jogo tenha adversários interagindo e como resultado de tal interacção exista um vencedor e um perdedor.

Preste bem atenção, que a definição diz que as pessoas envolvidas num jogo ou são adversários, ou cooperam entre si com grupos de adversários. Não diz que são adversários e cooperam entre si. Tem sempre um vencedor e um perdedor e não que tem sempre ou vencedores ou perdedores. A definição implicitamente diz que um andará sobre o asfalto e outro na lama.

Bem... Isso era assim até começarem com o jogo do Amor... E pelo amor de Deus, não me venham cá dizer que não é um jogo. É um jogo bastante interessante onde duas pessoas vivem momentos íntimos e acesos sem possuir o outro.

Nos dias de hoje, algumas coisas passam e ficam somente pelo sexo. A chamada aventura "tundimbal." Resumidamente é algo mais ou menos assim:
- Eu quero, tu queres... Porque não?!

O problema do amor é que ele é lixado, decrépito, gorado, matreiro e desleal. Diferentemente de qualquer outro jogo, um único ser não ganha este jogo. Ou ganham os dois, ou perdem os dois! Não existe essa de ele ganhou e ela perdeu ou vice-versa. No amor são os dois parceiros e adversários. Sim... Sim! Não devia, mas é assim. Há um jogo no meio disso tudo, apesar de negarmos constantemente.
Queremos prender o adversário nas nossas teias ou tê-lo nas nossas mãos. No entanto, não percebemos que é tudo tão recíproco ao ponto de nos envolvermos na mesma teia que queríamos prender a outra pessoa.
Já não conseguimos ficar um dia sem falar com aquela pessoa, queremos mandar mensagens da bosta somente por ter tido vontade e mais um monte de comportamentos infantis que mal conseguimos explicar.
Continuamos com a ideia de que somos apenas "tundimbadores" profissionais (entenda-se profissionais como "cacussadores" que não misturam as coisas), mas é pura mentira. O bastardo sorrateiro do amor já te penetrou, começa a fazer um monte de lixo com a tua vida, a mijar nos pilares do teu juízo, e se bem me lembro, o prédio da DNIC caiu de tanto mijarem nos pilares do prédio; e se prédio que é prédio cai, imagina o juízo?! A verdade mesmo é que começas a perder a ética e o profissionalismo. Sentes coisas que não são da tua competência como ciúmes, queres fazer docinho quando combinam algum serviço e ainda por cima tens que lidar com o que a sociedade pensa sobre o amor. Como se não estivesses confuso o suficiente, aparecem sempre aquelas definições baratas que dizem que só é sentimento supremo se e só se as regras, teoremas e postulados x, y e z forem verdadeiras.

Nesse universo de o que é amor e o que não é. Pouco se fala de um grande catalisador de amores. O sexo! Infelizmente, todo o relacionamento que começa com fins sexuais passa por uma tempestade que só aguenta quem tem a natureza mística da Ponte Molhada do Benfica. Poucos, senão mesmo muito poucos, aceitam continuar numa relação somente sexual ao se transformar numa rotina amorosa. Eis que começa o verdadeiro jogo. Quem vai ganhar, quem vai perder?

Entretanto, já que todo mundo fala o que bem entende, porque não apresentarmos alguns postulados que iluminam o caminho daqueles que não querem se apaixonar pelas suas aventuras sexuais? O que fazer para manter essa relação dentro da ética e do profissionalismo? Como não cair dentro do abismo da sedução, paixão e seus companheiros?

Bem, depois de muitos anos de estudos afincados, cientistas renomados publicaram um resumo daquilo que eles consideram fundamental para evitar acidentes de percurso:

1 - Sob circunstância nenhuma troquem carícias e/ou abraços após o acto "tundimbal."
Carícias e abraços são instrumentos preliminares e não pós-liminares. São os maiores fabricantes de afecto e conexão que existem no mundo. Eles não brincam em serviço. Dois toques e já estás "male." Todo derretido da tua vida nos braços de alguém que tu só querias te divertir.

terça-feira, 18 de Março de 2014

Sansão e Dalila

Segundo a sua descrição na Bíblia hebraica, Sansão foi um homem nazireu, filho de Manoá, nascido de mãe estéril e que liderou os israelitas contra os filisteus de 1177 a.C. a 1157 a.C.

Distinguia-se por ser portador de uma força sobre-humana que era fornecida pelo Espírito do Senhor enquanto se mantivesse obediente ao Senhor dos Exércitos.
De acordo com o texto bíblico, Sansão apaixonou-se por Dalila, uma mulher filisteia, a qual o traiu entregando-o aos chefes de sua nação, por grandes somas de ouro e estatuto social. Reza a estória que Dalila beijou a boca do juiz Sansão e com toda a destreza fomentada pela sede do poder conseguiu extrair o segredo do nazireu que disse-lhe que sua força dependia dos seus longos cabelos que por promessa à Deus nunca haviam sido cortados. Depois de ter revelado seu ponto fraco à filisteia, ela fê-lo dormir e cortou o cabelo do homem enquanto dormia... E blá blá blá...

Blá blá blá, pois, como todos nós sabemos, isso não passa de uma mentira gritante que os europeus criaram para mais uma vez usurparem de nós um grande conto e excluírem-nos da equação sem os devidos créditos. Entretanto, a verdade tarda; mas chega. E eis que hoje iremos contar o que realmente aconteceu naquela época.

Para início de conversa, Dalila era angolana. Sim, sim, sim... Dalila, Lilas, Lili ou Mana Li como era carinhosamente chamada, morava na Maianga. Lá nos anos de 1165 a.C (antes de Cristo). Mulher muito vaidosa, gingado escorregadio como uma jibóia e bunda que parecia perfume, onde passava deixava marca; as pessoas não paravam de falar tão cedo. Se ela passasse numa rua às 13 horas, até às 17 horas ainda era possível encontrar homens a babarem e os restos mortais daqueles que presenciaram o seu desfile. Como ela mesma dizia: - Temos que ter "standards." Logo, não preciso aqui dizer que a Lili era uma das mais achadas de todo o reino Ngola.

Com suas manias e sonhos sumptuosos, Dalila ia à escola simplesmente. Não estudava! Ia à escola. Sabia ler e escrever o suficiente para publicar os desenhos e esculturas que dedicavam à ela no seu "AntesGram", mas nunca tencionou viver do seu próprio suor. Ela dizia abertamente que com aquele corpo sinuoso que possuía; mais tarde ou mais cedo iria aparecer alguém que fosse lhe tirar da Maianga e lhe daria apartamentos no Talatona, metade do Mussulo, 3 blocos no Kilamba para a família morar, Range Rover, V8's e tudo mais que ela tinha direito. Constantemente mandava indirecta às moças que tinham os mesmos sonhos que ela, criticava aquelas que percorriam e seguiam as suas pegadas. Basicamente, mana Li sofria de ter dedo. Toda a hora a apontar o dedo às outras mas não reparava que haviam 3 a apontarem de volta para ela.

Você agora pode estar a dizer:
- Oh, então a Lilas era mesmo poderosa...
Quase isso. Ela só não se sentia a Afrodite porque via em si um grande defeito. Dalila era "katota," ou seja, ela chamava seu cabelo de ruim, ruim, ruim, ruim que podia fazer e desfazer mas o cabelo nada. Por ser muito achada, na rua diziam que o cabelo dela era à prova d'água, que dava para fazer relógio. O que fazia com que ela detestasse ainda mais a sua condição capilar.
Como naquela época ser branca é que batia, ela queria ser uma delas. Todas as revistas evidenciavam mulheres com cabelos longos e lisos. Essas revistas e mesmo a televisão daquela época eram conhecidas como fomentadoras do "tabaterismo" que fizeram com que mana Li quisesse ter o cabelo daquele jeito que ela sempre viu. Na sua busca pela aparência perfeita, Lili inventou o pente de ferro que aquecido dava para desfrisar o cabelo e... Aquele produto que levou o seu nome ao estrelato nacional. Dalila inventou o TCB! Ela e suas seguidoras queimavam e mais queimavam o couro cabeludo. Tudo para sair às ruas e ver o vento sacudir o seu cabelo; obviamente sem sucesso.

Foi assim que surge na vida dela Sansão. Homem forte, gajo "caenxe," olhos castanhos claros, aparentemente rico, 1 metro e 88 de altura e 60 centímetros de cabelos longos. Epá... Aquilo foi tiro e queda para Dalila. Ela passou-se com o camarada. Foram apresentados por um amigo em comum no Chiuaua. Eles aí na área VIP. Sansão já armado em o pai grande das garotas. Ficava parado a noite toda "xé de braço," mal conseguia se movimentar. Parecia ter um horário para mudar de pausa. Independentemente de não se mexer muito, as damas lhe morriam tipo nada.
Ao tocar aquele cabelo sedoso, ela derreteu-se!

Depois daquela noite, trocaram os endereços e foram se mandando pombos correios. Muito pombo correio da cara porque o Sansão apesar de forte, morava nos Combatentes e não podia ir assim para a Maianga logo de primeira por causa dos grupos de luta que existiam naquele tempo.

Começaram a namorar e Dalila não suportava o facto de ter um homem mais cabeludo do que ela. Vezes sem conta ela implorava pelo segredo de Sansão. Ela queria saber de onde ele tirava tanto dinheiro para estar sempre na noite. Mas ele enrolava sempre. Até ao dia em que ela beijou a boca de Sansão (sim, Sansão era um "granda" lento, e nunca havia beijado a namorada; ademais estamos numa época a.C beijar não era fácil) e sussurra palavras de amor e desejos carnais no ouvido do pobre rapaz. Foi assim que ele revela para sua amada que vivia da aparência e que tudo dependia do cabelo.
- As mais velhas pagam para me ter na cama, têm fantasias com homens cabeludos, meus amigos emprestam-me a maioria das suas roupas de marca e assim vou levando a vida.
Naquela época os maridos andavam atrás das "pequena" e as esposas dos grandalhões.

Só que Vamos Lá Ser Sinceros...