segunda-feira, 19 de Março de 2012

Pais

Não sei como é a sua relação com o seu pai. Mas a minha é uma porcaria. É uma chatice desde manhã até à noite, vezes há em que sinto vontade de dar-me um tiro na cabeça para evitar tanto dissabor.
Tudo isso, porque sempre que converso com o meu pai, é como se estivesse a conversar comigo mesmo. É muito argumento, muita lenga-lenga, é um a tentar adivinhar o que o outro está a pensar e responder de acordo com aquilo que ele acha que o outro irá pensar após a resposta, muita metáfora descabida, enrolamos bwé para explicar algo simples, me apanham sempre quando estou a mentir, é mesmo chato. Até as piadas chegam a ser semelhantes.

Sinceramente, só não converso a frente do espelho porque não consigo olhar a minha cara por muito tempo. Entretanto, garanto-vos que não é nada bom conhecermo-nos desse jeito. É que eu paro e digo: Eu sou chato! As pessoas passam mal comigo.
Eu reconheço-me a cada movimento, forma de manipular, gargalhar e até mesmo estigar.

Só escreveria do amor que sinto por você num dia como esse. Em que a efeméride chama-me à razão. E já estou bastante arrepiado por ter escrito a palavra "amor" referindo-me a si.
É óbvio que sendo você o macho alfa da família, muita demonstração pública de afecto, parece frescura exagerada.

É kota! Teu dia é "memo" só hoje e mais nada. E ainda assim, sugiro-te que rezes para que eu não seja atropelado porque se assim for gritarei: "Mamã uê"!

Vamos "inda" Lá Ser Sinceros.
Se pai fosse produto, seria pão. Só lhe valorizam quando acaba e sobrou apenas manteiga. Esquecem que o pai é a farinha e a mãe o forno. Em grandes debates fala-se apenas da grandiosidade do forno, ninguém quer jubilar o dono da matéria-prima. Será que não merece também? Será que é tão fácil assim ser pai? Tão fácil que uns preferem não assumir a paternidade porque detestam facilidades na vida?

Duns coros, tipo nada, permitam-me dizer que vocês são azarados. "Talo" dia do pai, calha "mbora" no mês da mulher? Quem fez isso "num" vos gosta! Só pode ter sido uma mulher!

Creio que a gente só pensa nos velhos quando está tudo bem. Na hora da dor nunca ouvi ninguém a gritar ai meu pai (excepto quando alguém te "espeta" uma boa bofetada e queres que o teu pai o espanque até a morte). Ele pode ser muito presente, mas se cair uma pedra no seu pé, você irá gritar: "Mametu uê"!

Uma das grandes máximas que já ouvi nessa terra diz: Primeiro o pai da terra, depois o Pai do céu.
Por isso, desafio-vos a deixarem-se balear, tropeçar, arrancar o dente ou aleijar-se e no final dizer: Ai meu pai!

3 comentários:

  1. Mesmo assim eu amo o meu pai

    ResponderEliminar
  2. Concordo com a primeira frase do texto, para mim também é uma relação pouco prazeroza, creio que muitos filhos da geração "Y" Angolana, depara-se com este facto, nao por ser facil ser pai, mas pelos pais nao assumirem seus papeis e pior, darem a mãe o desabor de ocupar o lugar deles, mesmo na presença deles, um tanto é covardia, um tanto é comodismo, um tanto é falta de exemplo e um muito é falta de vontade de ser pai de verdade...
    Vamos lá ser sinceros, um pouco de força de vontade e m uitos "pais- excessoes" poderão virar os "pais-generalizados" para nós paramos de nos identificar com textos destes...

    Epah papa.. Falei mesmo!! Te amar só, nao basta!!! É preciso tbm me fazeres estar apaixonada por ti, e querer gritar por ti, na dor e na alegria!!!

    Juju-Lady

    ResponderEliminar

Motive-me com o seu comentário!