quarta-feira, 26 de outubro de 2011

O Maior Erro da Humanidade

Houve alguém que um dia disse que o maior erro de um homem é magoar a mulher amada. Eu adoro esta frase. Porém, concordaria na sua plenitude se eu não fosse angolano, e não tivesse crescido em Angola.

Na minha terra é diferente, o maior erro que um homem pode cometer à luz da sociedade é ir à discoteca desacompanhado por indivíduos que produzam estrogênio e tentar interagir com os que ele encontrar por lá. Coloque a mão na cabeça, isso é coisa muito séria, não podes ler isso de forma despreocupada. Ir à uma discoteca sem mulher em Angola é tão errado que até Deus te castiga após tal atentado. Lá, essa atitude é chamada de atentado terrorista.

A angolana, como tenho dito não é uma mulher, é um ser mitológico do tipo que você acha super difícil mas todos teus cambas têm uma, duas ou mesmo três. Parecem se combinar: - Vamos aceitar todos madiês, menos o fulano. Mas isso meus amigos, isso eu já estou habituado. Isso já não me importa. O que me deixa mesmo escalavrado é:

Lhes encontras num boda, todas sorridentes, charme já "num" é charme, a interagirem normalmente, bwé de flashes, fotografias atrás de fotografias. Agora encosta inda, vai corajoso, vai já, você já "num" é o Ngunga, o David pai de Salomão; encosta só e pede para dançar. Vai, encosta! Vais ver ela a trancafiar a cara como se fosses roubar algo, a cara de princesa em 300 milisegundos transforma-se em cara de gangster. Sai de bela para monstro sem piscar os olhos. E você que só queria dançar... O coração dispara, começas a tremer; parece que a tua mãe te apanhou a beber a água na garrafa; aquilo transforma-se num penalti numa final de futebol e um dos palancas negras é que vai cobrar. Não é boa coisa!

Se ela fosse simplesmente dizer não à proposta, tudo bem. Mas não!
Ela primeiro olha nos seus pés e vai subindo. A medida que ela sobe, você vai se sentindo nú. Não podes sequer cogitar a ideia de assédio sexual. Ela fica com uma cara de má, veias no pescoço como se a tivesses pedido dinheiro, parece-se com um dos protagonistas de filmes indianos que está prestes a se vingar. E quando chega na sua cara; bem aí você já sabe qual será a resposta. Querida angolana, nós meros mortais vos pedimos encarecidamente, ajoelhados e se não mesmo rastejando. Não queremos milagres do tipo: Mudem só o vosso comportamento. Isso não. Apenas diga não mas sorrindo. Não custa nada. Também gostaríamos que não fizessem muitos gestos na hora de rejeitar o pedido. Vire e diga apenas não. Não precisa dar aquela vossa de despercebida, vê ele a vir da outra ponta do salão e quando dá-te um toque no braço, você perde os sentidos. Simplesmente não se mexe. Não abane a cabeça, nem suba no seu palco para nos dar o show habitual. Já estamos cansados. Não precisam ficar nervosas. Isso é uma particularidade vossa, se enervam por nada. Mas são assim então porquê?

Vamos "inda" Lá Ser Sinceros. Só um "coxito".
Se não gostam de dançar com desconhecidos qual é o intuito de ir à uma discoteca então? Será que o Jack - O Estripador viveu em Angola? Porquê que têm tanto medo, restrições e requisitos? O que mais me admira, é que a maioria afirma não acreditar em amor à primeira vista. Mas então se não acreditam em tal "desvario" me expliquem só porquê que têm que gostar da pessoa no momento em que ele lhe aborda. "Porquiê"? É o "quiê" então?

O que também me deixa bastante impressionado, são aquelas que no princípio ficam todas antipáticas, muzumbo bem grande. Ah porque eu memo sou assim, não lido bem com estranhos. E de repente, fica toda simpática. - Ai fulano, tu és demais. Começam a rir bwé. Mesmo que de repente você tenha decidido ser boazinha com o rapaz, sem interesse algum. É "mále" ele achar que você é interesseira? Me fala "inda". Você que há pouco estava com a cara do Van-Damme, voltaste a ser uma Taís Araújo porquê? Essas mudanças violentas de comportamento é que faz com que certas pessoas vos achem levianas.

Epá "num" é por mal, eu só estou a vos contar o que todos desabafam nos cantos por aí. Já sabemos que vocês não vão para a discoteca conhecer gente nova, por isso temos que levar água na chuva e cimento na obra. Mas minhas idolatradas Deusas "Gregas", sorriam mais. Não custa. Não precisam querer nos dar um bico no estômago ou ofender toda a nossa árvore genealógica porque queríamos dançar convosco. Apenas estamos cansados de mentir que estamos a ir no bar buscar uma bebida, quando na verdade estamos a procurar alguém que aceite dançar com um estranho, e assim poder voltar para o meu grupo de amigos com a reputação e consciência intacta. Sem ter um coração à beira de um AVC.

Mas seriamente falando, sempre que um amigo meu se ausenta do grupo e diz que vai dançar, eu só digo já: Esse aí "tá brincá cô vida"!

Sem comentários:

Publicar um comentário

Motive-me com o seu comentário!